article inline adarticle inline ad

As bolsas esportivas nas faculdades são, muitas vezes, fundamentais como forma de auxílio estudantil. Entenda mais como funcionam.

Muitos desejam entrar em uma boa universidade, mas nem todos possuem condições financeiras para iniciar seus estudos. Com isso, a procura por auxílios estudantis aumenta. As bolsas de esporte se encaixam nesse cenário.

Essas bolsas, cujo objetivo é ajudar alunos que praticam as modalidades esportivas oferecidas pelas faculdades, garantem o Ensino Superior a diferentes jovens brasileiros.

Leia também: 4 dicas para conseguir patrocínio para sua atlética!

O cenário nos Estados Unidos

Algumas universidades particulares oferecem esses tipo de bolsa para os alunos que disputam campeonatos, representando as cores do seu time universitário, assim como ocorre nos Estados Unidos.

Os norte-americanos estão mais acostumados com esse sistema de bolsa. Por conta disso, é comum vermos vários atletas profissionais – principalmente do basquete e futebol americano – que começaram seus estudos graças a suas habilidades esportivas.

No Brasil, mais precisamente em São Paulo, diferentes faculdades oferecem esse tipo de bolsa. Alguns exemplos são a UNIP (Universidade Paulista), UNG (Universidade de Guarulhos), Mackenzie e Anhembi Morumbi.

Como faço para ser bolsista?

Cada Instituição de Ensino possui seu próprio método e critérios para oferecer as bolsas. Sendo assim, é importante pesquisar um pouco mais como as faculdades oferecem esse auxílio.

Algumas fazem processo seletivo, como as peneiras. Outras exigem um ótimo rendimento dentro das quadras e da sala de aula. 

O caso da UNIP

Na UNIP, com aproximadamente 500 alunos bolsistas, qualquer aluno matriculado na universidade pode participar das seletivas esportivas que ocorrem no início do ano letivo.

Os atletas que jogam futsal, basquete e futebol de campo, possuem um desconto maior que as demais modalidades – como taekwondo, vôlei de praia. Isso porque esses esportes possuem um calendário esportivo mais intenso.

Mas, segundo o professor Roberto Toledo (Diretor Geral de Esportes), há diversos fatores, como a frequência e o nível técnico, que os treinadores avaliam para definir o percentual. 

UNG: como funciona?

Já na UNG, o candidato deve enviar seu currículo esportivo para a coordenação de esportes. Assim que for avaliado, a instituição entrará em contato com o possível aluno para marcar um teste.

O atleta, de qualquer modalidade, pode conseguir desconto de 40% até 100%. Todos os alunos bolsistas precisam ter um excelente desempenho em sala de aula para manter a isenção nas mensalidades. A faculdade conta com aproximadamente 200 alunos com bolsa atleta. 

A Universidade de Guarulhos auxilia os atletas com uniformes e viagens para campeonatos fora do estado de São Paulo.

O lado dos atletas universitários com bolsas esportivas

Carolina Martinez Gomes, aluna da UNG e lutadora de judô há seis anos, conseguiu bolsa após um ano e meio de graduação na faculdade. Com a economia de dinheiro propiciada pelo auxílio, ela investiu em outros cursos para aprimorar seu currículo.

Carolina Martinez (de azul) em competição.

Além de participar da equipe da faculdade, a aluna de fisioterapia também luta pela Academia de Judô Pissarra. Carolina relata que é complicado conciliar a rotina de estudos com os treinos. Além de trabalhar durante o dia, ela treina musculação três vezes na semana e judô aos finais de semana.

A mineira Júlia Wenceslau Felisberto, estudante de Nutrição do sexto semestre da UNG, conseguiu ingressar na faculdade particular graças à bolsa esporte.

De acordo com Júlia, ela não teria condições financeiras para pagar o curso e se sustentar em outro estado se não tivesse o auxílio. A bolsista também comenta que é cansativo, fisicamente e mentalmente, estudar e treinar.

Entretanto, nos momentos em que não está treinando em quadra ou na academia, aproveita para colocar seus estudos em dia e descansar para conseguir seguir com sua rotina, assim como faz há três anos.

Júlia Felisberto representando a UNG em competição da FUPE.

Júlia é jogadora de handebol desde os 10 anos de idade e joga, atualmente, pela equipe Aciseg – time da cidade de Guarulhos. Além de jogar pela sua cidade natal em Minas Gerais, São Lourenço, quando há disponibilidade.