2019, começo de ano: tempo de renovação, promessas e planejamento do que está por vir. Eu sei, meu caro colega do atletismo, que uma das ondinhas que você pulou pra Iemanjá foi pra bater o seu personal best nessa temporada.

Para melhorar, sinto-lhe dizer, não tem muito segredo ou receita mágica: é treino! Mas separamos aqui algumas dicas para que este processo fique mais fácil – tanto para atingir seus objetivos no atletismo, como, quem sabe, ajudar nas outras promessas de ano novo.  

Dicas para mais realizações em 2019

1Tenha metas

 

No início de temporada, visualize suas metas. Quanto mais específicas, melhor. Tenha objetivos para cada prova – e é bom estipular coisas tangíveis, dentro da sua capacidade, mas fora da zona de conforto!

É bacana também delimitar submetas, como a evolução mensal até chegar no seu objetivo final, ou então os tempos para cada parte de uma prova mais longa, ou os seus tempos de tiros de treino… Compartilhe-as com o seu treinador e faça um plano de ação de acordo. E não se esqueça: atingiu a meta? Dobre a meta!

2Anote tudo!

Guarde registros de tudo. Seus tempos em testes e competições, seus treinos e tempos de tiros, os dias de descanso, os dias de dor, quando você quebrou…

Primeiro, porque você vai ter muita informação que pode te ajudar e ao seu treinador a ver o que está dando certo ou errado, e a ter uma maior compreensão do processo como um todo.

Segundo, porque manter o registro de todo o progresso aumenta a sua motivação – tendo em mãos tudo aquilo que você já fez, é muito mais doloroso desistir/faltar em um treinamento.

3Tenha os momentos de treino bem delimitados em sua rotina

 

 

Justamente por se tratar de esporte universitário, ninguém dedica-se exclusivamente ao atletismo. É uma proeza conseguir conciliar aulas, provas, estágio, tcc, entidades, etc. com os treinos. E é muito fácil sucumbir à exaustão em um dia puxado e acabar faltando.

Quando a gente não tem bem claro em nossas cabeças os horários separados pros treinos e o senso de prioridade deles, a decisão mais “fácil” é deixar pra depois, e o depois muitas vezes se torna nunca.

Por isso é importante se programar no início da semana (ou do semestre) quando e onde serão os seus treinos, e tentar ao máximo seguir esse plano.

4Tenha estratégias pros imprevistos

Ok, por vezes ocorrem coisas que não conseguimos controlar. Um trabalho para o dia seguinte, uma reunião que foi até mais tarde, a chuva que torna o trânsito impossível. Uma boa tática para evitar que isso atrapalhe todo o seu planejamento é tentar antecipar essas situações e já ter respostas para elas.

Atrasou no trabalho? Já tenha um plano b de local e treino. Muita chuva? Considere um local de treino próximo à sua casa e já deixe combinado com seu treinador. Não vai dar mesmo pra treinar naquele dia? Tenha um horário reserva ao longo da semana pra compensar nestes casos…

Não sei qual plano melhor funciona pra você, mas a dica aqui é não deixar pra decisão de última hora – caso contrário, a gente “racionaliza” a decisão de não treinar naquele dia por conta do imprevisto.

5Socialize!

Não tem jeito – a gente se importa com a opinião dos outros. Quando fazemos compromissos em grupo, seguí-los fica mais fácil. Você pode combinar com um colega de treinar sempre junto – e sempre que você cogitar faltar, vai lembrar que não será o único prejudicado nessa decisão.

Treinar com a equipe ajuda por conta disso – o compromisso não é com você mesmo. Fora que, quando faltar força de vontade, vai ter outra pessoa pra te motivar.

6Hábitos angulares

 

No final das contas, o que você quer é tornar o hábito de treinar automático. Para tal, você pode implementar outros hábitos que te ajudam a seguí-lo (e refrear os inversos).

Por exemplo, para mim, deitar no sofá quando chego em casa do trabalho é pedir pra desistir de treinar, ao passo que, se já coloco a roupa de treino, me sinto muito mais culpada em não ir.

Outra coisa que notei que me ajuda a não faltar é seguir uma dieta ou tomar suplementos – eu não sei de fato o quanto isso de fato já me ajudou diretamente, mas chuto que o efeito placebo teve grande impacto (se já estou mantendo esses hábitos, mais “fáceis”, não treinar seria jogar isso fora…).

Pode ser uma coisa super simples, como tomar x litros de água por dia.

7Pense a longo prazo

 

É normal, na euforia de atingir nossos resultados, querermos atropelar o processo. Pular o dia do descanso, não fazer os exercícios regenerativos ou de alongamento direito…

Às vezes aparecem umas dores estranhas e a gente vai treinando em cima, até que vira uma lesão mais séria e somos forçados a parar. Por isso, é importante ter esse senso de percepção mais a longo prazo – sacrificar um dia pode ser melhor do que ter que parar um mês.

É importante conhecermos o nosso corpo e os nossos limites, deixando bem claro com os técnicos quando não estiver tudo bem.

De resto, só depende de você 😉 Feliz ano novo, leitor! Que seja um ano de muitos pbs!  

Atletismo universitário

8 sinais de que você foi longe demais com o seu vício em atletismo
Atletismo na USP: conheça o grupo de corredores do FundUSP