Oferecido por:

Entenda por que ficamos tão cansados depois do treino e veja dicas para tentar evitar essa sensação chata de fadiga muscular

Depois de sair suando daquele treino, é normal sentir cansaço. Principalmente quando foi exigido mais esforço do que estamos acostumados.

Essa sensação de cansaço físico extremo é muito comum e é chamada de fadiga muscular, de acordo com a Dra. Renata Domingues, médica do esporte, especializada em Nutrologia.

Também diretora responsável da Clínica Adah e vice-presidente da Associação Brasileira de Nutrologia Médica (Abranutro), ela revela por que ela acontece.

Por que ficamos cansados?

“Um dos principais fatores associados à fadiga muscular é o acúmulo de ácido lático no músculo. Ele é produzido durante o exercício físico intenso. Além disso, é o responsável pela sensação de queimação nos músculos, que reduz a capacidade das células musculares de produzirem ATP (energia). Por isso, prejudica assim a contração muscular”, explica ela.

Mas estudos apontam que é possível prevenir a fadiga e o dano muscular causado pelo excesso de ácido lático através de aminoácidos e eletrólitos. É o caso da creatina, do magnésio e da L-taurina.

Como evitar a fadiga muscular

Quer dar uma levantada na energia? Já ouviu falar na barrinha energética da Dobro?

Aminoácidos

Creatina

“A creatina, por exemplo, é um composto produzido a partir de 3 aminoácidos que é convertido em fosfocreatina pelo organismo. Dessa forma, se torna uma fonte prontamente disponível para a produção de ATP (energia da célula)”, aponta.

Assim, o aminoácido, que pode ser obtido através de alimentos de origem animal, como a carne vermelha, aves e ovos, ajuda a reduzir a produção de ácido lático.

E então aumenta a velocidade de recuperação muscular após um treino. Por isso, é ideal para atividades físicas de alta intensidade que necessitam de energia rápida.

L-Taurina

Já a L-Taurina tem a capacidade de reduzir a percepção do cansaço durante a atividade física e acelerar a recuperação da fadiga muscular.

Também é um aminoácido que pode ser obtido em alimentos ricos que possuem boas quantidades de proteína como peixes, aves e carne bovina.

E, além de favorecer a contração muscular, proporciona maior resistência física e melhorando o desempenho durante o treino.

Eletrólitos

“Por fim, os eletrólitos, que podem ser obtidos através da ingestão de água de coco, são importantes para quem prática atividades de tempo prolongado ou que apresentam alta transpiração”.

Isso porque são fundamentais para que a hidratação, essencial para manter o rendimento prolongado, chegue ao interior das células.

“Além disso, o potássio, magnésio, sódio e cálcio, exemplos de eletrólitos, auxiliam nas contrações musculares, evitando a fadiga”, completa a médica.

Segundo a Dra. Renata Domingues, o efeito destas substâncias ainda é potencializado quando são usadas em associação, como o magnésio taurato (associação do magnésio à L-taurina). Pois esses compostos são ótimos para evitar a acidose e a fadiga muscular.

Cuidados

“Porém, se a fadiga muscular acontecer em outros momentos que não durante ou imediatamente após o exercício é importante ficar atento e procurar um especialista”, alerta.

Porque pode ser um indicativo de problemas de saúde, como falta de vitaminas e minerais, anemia, diabetes ou doenças renais e cardiovasculares.

Dicas para atletas

Cansaço? 10 dicas para ter mais energia no dia a dia
Crioterapia: compensa mesmo fazer banheira de gelo?