Confira vitaminas e nutrientes que ajudam a reduzir sintomas de depressão e a controlar a ansiedade

A ansiedade, quando excessiva, atrapalha o dia a dia e pode até mesmo desequilibrar o metabolismo.

E, de acordo com a nutricionista Cintya Bassi, do Grupo São Cristóvão Saúde, a rotina carregada pode ser a grande causadora.

Isso porque provoca a fadiga física e emocional, o que as leva a desenvolver esses quadros de ansiedade.

Por isso, é importante ter cuidado com a alimentação nesses momentos. Pois é frequente recorrer à comida como uma espécie de compensação ou válvula de escape.

“É comum pensarmos que somos merecedores da comida após enfrentarmos algum problema. Esses alimentos funcionam como ‘confort food’ (comida de conforto), trazendo um alívio imediato às sensações ruins”, comenta. Então, é importante buscar alimentos que ajudem no combate aos sentimentos de irritabilidade.

A nutricionista indica a jabuticaba e a uva, que são fontes de vitaminas do complexo B, necessárias para o funcionamento adequado do sistema nervoso e de carboidratos que fornecem energia.

Mas veja a seguir uma lista com outros alimentos:

Alimentos que combatem a ansiedade

Acelga e espinafre

São dois exemplos de alimentos ricos em magnésio. Ele estimula no cérebro a sensação de tranquilidade.

Frutas vermelhas

Amoras, framboesa, cerejas e outras frutas vermelhas, bem como algumas especiarias, como o gengibre, são alimentos antioxidantes. Portanto, reduzem os níveis de cortisol combatendo a ansiedade.

Lentilha, feijões e aspargos

Alimentos ricos em ácido fólico atuam no sistema nervoso e ajudam a evitar a depressão colaborando para a produção de serotonina no cérebro.

Banana

Essa fruta tem alto teor de triptofano, que também ajuda na produção de serotonina. E, assim, contribui para reduzir sintomas de depressão e ansiedade.

Probióticos

Alimentos como iogurtes e vegetais em conserva são ricos em probióticos, que melhoram a saúde do intestino e reduz a ansiedade.

Alface

A folha possui uma substância chamada lactucina, com ação calmante. Além disso, possui ácido fólico, vitamina cuja deficiência se associa à depressão.

Fibras

Para manter em ordem os níveis de serotonina, hormônio ligado ao prazer, é importante que o intestino funcione bem, em que grande parte da substância é produzida. Por isso, consuma alimentos ricos em fibras e água para auxiliar o funcionamento.

Cintya ressalta que o alimento sozinho age como parte do tratamento contra a ansiedade, mas traz resultados melhores quando combinado com exercício físico e um estilo de vida equilibrado.

Chocolate

Chocolate com teor de cacau acima de 70%, porque ele possui substâncias muito semelhantes a anandamida.

Ela é um neurotransmissor sintetizado pelo nosso organismo naturalmente e conhecido popularmente como “substância da felicidade” e atua em áreas que regulam o humor, as sensações de dor e a memória.

O que pode causar ansiedade

Cintya explica que, assim como alguns ajudam a acalmar e reduzir a ansiedade, outros têm o efeito contrário.

Alimentos estimulantes do sistema nervoso, por exemplo, devem ser consumidos com moderação.

“É o caso dos energéticos, refrigerantes à base de cola e cafeína, chocolate ao leite, álcool, excesso de açúcar e gorduras”, comenta.

Entram nesse grupo alimentos como:

  • Doces industrializados;
  • Refrigerantes e energéticos;
  • Bebidas alcoólicas;
  • Chá preto e café;
  • Salsichas e outros embutidos.

Ela recomenda, também, reduzir o consumo de carne vermelha devido à presença da tirosina, substância responsável pela produção de adrenalina, que aumenta a agitação.

Fome ou ansiedade?

A nutricionista fala que é importante diferenciar a fome da vontade de comer. A maneira mais fácil de fazer isso, segundo ela, é beber um copo d’água e aguardar alguns minutos.

“Se ainda assim o estômago parecer vazio, busque algo saudável e dedique tempo para as refeições, preparando e mastigando bem os alimentos”, reforça.

 

Alimentação de atleta

Como ser universitário e ter uma alimentação saudável?
Alimentação pré e pós treino: como ela garante o seu rendimento