A Atlética de Direito PUC-Rio perdeu o título dos Jogos Jurídicos Estaduais do Rio de Janeiro após casos de racismo relatados na edição dos jogos deste ano. Além disso, está fora da competição em 2019. O inter, que aconteceu em Petrópolis, teve cerca de três denúncias e diversos relatos públicos em redes sociais.
Veja algumas das publicações sobre o ato em redes sociais:
O caso repercutiu para além do cenário do esporte universitário. A vereadora Luciana Novaes também publicou em seu perfil de Facebook a manifestação contra o racismo que rolou ainda durante o inter.

Casos de racismo nos Jogos Jurídicos

Créditos: Reprodução/Facebook
O primeiro episódio aconteceu entre a PUC-Rio e a Universidade Católica de Petrópolis (UCP) em uma partida de futebol de campo masculino no sábado.
Uma casca de banana foi arremessada em um atleta negro da UCP. Após a primeira repercussão, a Atlética da PUC tomou, então, sua primeira medida. Suspenderam o envio de torcida para partida do futsal masculino.
Depois, em uma partida de handebol feminino contra a  Universidade Federal Fluminense (UFF), torcedores da PUC-Rio teriam xingado uma atleta negra de “piranha” e “macaca”.
E, no domingo, na final de basquete masculino contra Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), a torcida da UERJ puxou o coro “racistas, racistas, não passarão”. A resposta de parte da torcida da PUC foi imitar macacos, segundo relatos.
O movimento “Jogos Sem Racismo” protagonizou as cobranças. E, então, após reunião extraordinária com a Liga Jurídica Estadual do Rio de Janeiro, houve manifestação pública do caso nesta segunda(4).

Puc-Rio banida dos Jogos Jurídicos do RJ

A nota oficial da Liga Jurídica Estadual do Rio de Janeiro foi compartilhada por diversas faculdades participantes dos jogos.

Nela, a Liga disse que “repudia veementemente os atos praticados. Porém, diante da gravidade dos fatos relatados, tem consciência de que repudiar não é suficiente”.

Por isso, as punições aplicadas serão três:
  • a perda de 12 pontos (sem retirar os resultados esportivos das equipes e das modalidades individuais);
  • o impedimento de participação da PUC-Rio em competições da Liga ao longo de 2018 (exceto as competições já inscritas);
  • e a exclusão dos Jogos Jurídicos Estaduais do Rio de Janeiro em 2019.

Além disso, a atlética da PUC-Rio se comprometeu a colaborar com a identificação dos agressores. E também prestar auxílio jurídico às vítimas dos crimes cometidos.

A Liga ainda se comprometeu a criar canais de comunicação e diálogo com o movimento Jogos Sem Racismo e os coletivos negros de cada faculdade.

Tudo isso a fim de que o período de suspensão da PUC-Rio seja um ano de trabalho intenso de didática antirracista. E também para que casos como os ocorridos nos últimos jogos não se repitam.

Dessa forma, fazendo com que os jogos se tornem mais inclusivos para todos os atletas e torcedores negros de todas as faculdades participantes.

Campeão dos Jogos Jurídicos do RJ

A PUC-Rio tinha levado a taça de campeã dos Jogos Jurídicos do Rj 2018. Entretanto, com o ocorrido, foi punida com a perda de pontos que a retiram da primeira posição.
Alguns levantaram a hipótese de que a atlética posicionada, até então, como vice-campeã ficasse com o título do inter desse ano, por conseguir ultrapassar em pontos gerais a atlética banida.
Mas, fontes da PUC-Rio – que não quiseram se identificar – contaram à Revista BEAT que o mais provável é que a edição deste ano seja anulada, sem efeito para o ranking dos jogos.
Em nota, a Liga e o movimento Jogos Sem Racismo afirmaram a decisão com todas as letras. “Diante dos atos praticados, a edição de 2018, não consagrará nenhuma faculdade participante como campeã geral”. Ou seja, apenas os resultados das modalidades em respeito aos atletas participantes serão mantidos.