Camilla, formada e atleta do futsal do IME USP, vai pro seu último BIFE. Ela jura que é o último e resume o que foi o inter em todos esses anos pra ela.

 

Por Camilla Guazzelli, IME USP.

O BIFE para mim começou em 2012, quando eu tinha apenas 18 anos e cursava Estatística no IME. Era o meu primeiro inter e eu não fazia ideia do que esperar. Por sorte, as pessoas da minha faculdade sempre foram muito inclusivas e nos passavam a confiança de que daria tudo certo.

Agora com 23 e formada, participarei do meu sexto e último BIFE. Para mim, o mais importante é a competição esportiva, e o treinamento para esses jogos começam logo no início do ano. Sempre pratiquei futsal (desde os meus 7 anos) e o nível do inter é bem alto.

Por outro lado, o melhor do BIFE é saber que a competição só existe dentro de quadra, não tem uma inimizade fora dela. Existe respeito entre as faculdades, ajuda e, quando se tem um problema, todos tentam ajudar. Isso é o maior diferencial para os jogos de outros campeonatos.

ime usp

Além disso, com a rotina corrida de trabalho e estudo, os quatro dias fora nos permite desconectar e ficar com os amigos que já não vemos tanto. Quando estamos jogando lá no interior, vemos o IME muito mais unido e sabemos que torcida está jogando conosco!

Vou sentir saudade de jogar o BIFE!