ESPM se consagrou campeã do Intercalouros 2018, mas o fator mais importante do campeonato de bixos foi a integração entre as faculdades e o primeiro contato dos novatos com o esporte universitário.

Alunos ingressantes das faculdades Paulista de Medicina, Insper, ESPM e FECAP tiveram um contato inicial com o universo de suas Atléticas. Durante os dias 13, 14 e 15 de abril, a sede da Associação Atlética Acadêmica Pereira Barreto (AAAPB) foi palco do Intercalouros 2018.

Contando com 10 modalidades esportivas e incluindo categorias masculinas e femininas para 7 destas, o campeonato começou na sexta e foi decidido no domingo. Marcado por uma mistura de amizade, rivalidade e festa, o Intercalouros 2018 reuniu os elementos primordiais de um torneio universitário.

Barulho, fumaça e conversa foram companhias inseparáveis dos torcedores e dos jogadores (para estes, após as partidas). Os participantes eram apenas os calouros que acabaram de prestar o vestibular deste ano e o do meio do ano passado.

O ambiente da competição foi à altura do evento. Integração rolando solta, provocações inflamando as torcidas e impulsionando os jogadores. E tudo sendo resolvido onde deve ser: nas delimitações das quadras.

A colocação das faculdades em cada modalidade contava pontos para a composição do Quadro Geral do torneio. Os vencedores e os segundos colocados de cada esporte ganharam medalhas, e o campeão geral, o troféu geral do Intercalouros.

ESPM campeã do Intercalouros 2018

A ESPM foi hegemônica nos pódios. Os ‘azuis e brancos’ estiveram fora das 3 primeiras colocações em apenas um único caso.

Além disso, a ESPM foi a que mais garantiu o caneco nas modalidades (9 medalhas de ‘ouro’) e também maior número de participação nas finais – não jogou a decisão de somente 1 modalidade coletiva e de 1 individual.

Decisão foi o que não faltou para os torcedores espmianos no domingo. Os recém ingressados corresponderam à tradição e ao apoio da torcida, fazendo jus ao mote da faculdade para o Intercalouros: “Honre o manto”. Das 10 finais que a faculdade disputou, tiveram um aproveitamento de 80%.

Precisa mencionar em qual posição ela ficou?

Cabe destacar que a ESPM, em relação ao vôlei, tênis de mesa e futsal, foi soberana. Nesses casos, foi vencedora tanto no masculino quanto no feminino.

Heitor Rechetti, vice-presidente financeiro da Atlética ESPM, reforça a participação assídua no Intercalouros. A ESPM faz um trabalho de treino bem intenso pra conseguir o nosso objetivo que é sempre ser campeão”. E conseguiram.

Na categoria feminina, à exceção da natação e do tênis campo, a ESPM dominou: venceram 5 das 7 modalidades. Que show das mulheres, hein? O masculino também respondeu às expectativas e foi campeão em 4 modalidades, dividindo algumas medalhas com o vice-campeão.

Insper: o vice-campeonato

O Insper conquistou o basquete e handebol masculinos. Com apresentações fantásticas e resultados contundentes, os calouros asseguraram essas duas medalhas que contribuíram para colocar a faculdade na segunda colocação geral.

Insper e ESPM se enfrentaram em sete finais. Apesar do melhor aproveitamento da ESPM, os rubro-negros demonstraram muita garra e competitividade durante o campeonato todo.

Beatriz Lima, Diretora de Marketing da Atlética da Instituição, revela que o INSPER tem muita dificuldade para reunir times femininos. “Então praticamente é o mesmo time pra todas as modalidades”, conta.

Vale parabenizar o desempenho do esporte feminino do Insper na competição. Apesar de tal dificuldade, a faculdade só não disputou a final do handebol feminino no Intercalouros. Independente se vencedora ou não, o significado deste feitio transcende o resultado.

Desempenho geral

intercalouros-2018

Já nas modalidades únicas, a anfitriã Escola Paulista de Medicina se destacou ao se consagrar campeã no Xadrez e no Judô, as duas disputadas. Além disso, também venceram a natação feminina e ficaram em terceiro colocado geral.

A estreante FECAP ficou em quarto lugar. Mesmo não sendo campeã em nenhuma modalidade, ganhou duas medalhas de ‘prata’, no Xadrez e no handebol feminino. Evair Lima, vice-presidente esportivo da Atlética FECAP elogia a participação da faculdade e a considera como melhor do que o esperado, enfatizando ser o primeiro ano da instituição no Intercalouros.

A classificação geral ficou: em primeiro lugar, ESPM, com 56 pontos; em segundo, Insper, com 39; em terceiro, EPM, com 34; e em quarto, FECAP, com 23.

Devido à chuva de domingo, as finais das categorias do tênis campo não puderam ser disputadas e foram adiadas. Até o fechamento desta matéria, a data ainda não tinha sido divulgada.

Fator essencial: integração

Se tiveram duas palavras que foram constantes nas falas dos membros das Atléticas, foram “integração” e “preparação”. Para Renan Choi, integrante da AAAPB, a competição tem o intuito de preparar os ingressantes para a principal competição de calouros deles, o Calomed.

“O Intercalouros sempre teve caráter amistoso entre as faculdades”, afirma Renan sobre o clima do torneio. Yasmin Oliveira, também membro da Atlética da EPM, acrescentou à fala de seu colega que o torneio é o primeiro contato dos calouros com a Atlética. “Eles chegam na faculdade, estão no primeiro ano deles, e essa competição é uma forma de incluir eles nas modalidades”, completa Yasmin.

As demais faculdades visam o famigerado Economíadas. A campeã ESPM, que nesta edição conquistou seu 8º título, vê a competição como uma forma de aproximação dos calouros. Forma esta que é tanto em relação às próprias Atléticas dos ingressantes quanto com as outras faculdades, segundo Heitor Rechetti. “Tem esse viés de integração, e principalmente de estimular o esporte dentro da faculdade”, conta .

“O Intercalouros é o primeiro contato que nós temos com os calouros”, acrescenta Heitor. “E ter um campeonato tradicional desse, que participamos todos os anos, significa bastante para nós no quesito de captação dos ‘bixos’, aproximação e também de qualidade esportiva”, conclui.

A novada FECAP

A edição deste ano do Intercalouros contou com a presença da FECAP pela primeira vez. O vice-presidente esportivo da entidade conta que a Atlética da sua instituição é “relativamente nova”. “Nossa Atlética tem 11 anos. Nós a criamos especificamente para participar do Economíadas”, relata Evair.

Evair ainda menciona sobre a recepção e o entendimento por parte das outras 3 Atléticas. “Desde o princípio, nos sentimos bem quistos e acolhidos por todas as Atléticas”, complementa. Ele também lembra que essa é a primeira competição só de “bixos” e destaca que um ponto interessante do Intercalouros é que não tem uma Liga. “Quem decide tudo são as 4 Atléticas”, finaliza.

O significado da importância da integração e da valorização do esporte dentro da faculdade não deixa de ser reconhecido também pelo Insper. Beatriz Lima faz questão de enfatizar: “E a gente gosta de prezar muito isso lá no Insper”.

Beatriz elogiou o ambiente de festa e de torcida, principalmente no sábado. “O que é legal? É o calouro vir e vestir a camisa da sua faculdade, mesmo estando há 3 meses lá dentro só”, afirma. Ela conclui: “Dá uma energia enorme para as próximas competições”

“É outro tipo de jogos”

Se alguém desconhece as particularidades do Intercalouros, basta participar para entender. Como o próprio Evair Lima afirma, “É outro tipo de jogos do que a gente está acostumado. É totalmente diferente porque é o primeiro contato do ‘bixo’ com o esporte na faculdade”.

“Quando o calouro chega aqui, e vê que tem torcida, que tem uma estrutura por trás dele, que tem um time, isso faz com que ele se sinta motivado para continuar no esporte”, pontua Evair. Ele termina constatando, “Na sexta-feira nós chegamos aqui com uma visão, mas hoje eu já entendo a competição de uma outra forma”.

Heitor Rechetti reforça as características de aproximação e de iniciação do campeonato. “O Intercalouros é um primeiro passo pros bixos já começarem a treinar pela ESPM, a jogar pela ESPM e a honrar a camisa da ESPM”, proclama.

“O nosso principal viés como Atlética é desenvolver o esporte dentro da faculdade”, ressalta o vice-presidente financeiro da Jacarito ESPM. A respeito do mesmo assunto e também sobre integração, Renan Choi, da AAAPB, acrescenta: “E acho que além de incluir, a Atlética é também um ambiente para acolher as pessoas”.

Como o Intercalouros acontece sempre na mesma época do ano (no começo), o tempo de organização e preparo dos ingressantes é escasso. Este é justamente um fator que Beatriz Lima pontua. “É muito difícil o Intercalouros porque a gente não consegue preparar o pessoal pra vir pra cá”, conta.

Contudo, ela também reconhece o “outro lado da moeda”, da importância do campeonato ser dessa forma. “Mas mostra também aquele pessoal que quer participar. O ambiente em si é incrível, é muito legal”, declara.

A próxima edição do Intercalouros será planejada pelas próximas diretorias das Atléticas que forem constituir a Comissão Organizadora do evento.